Exagero

Eu gosto mesmo é do exagero. Gosto de passar a noite acordada só pela graça de ver as horas avançarem no relógio. Guardo vários objetos que eu nunca usei e que talvez eu nunca vá usar. Gosto do quarto desarrumado que engole meus fones de ouvido, ou dele totalmente organizado sem nenhum rastro de poeira. Gosto de música muito alta, daquelas que não me deixam pensar. Gosto de sentir muito, mas me entrego pouco. Se não fosse o meu ascendente em libra eu seria daquelas ‘8 ou 80’. O exagero não está só nas minhas expressões corriqueiras ou no meu modo de me importar, está no meu ser. Eu sou um exagero de sentimentos, de sensações e de experiencias acumuladas e guardadas para serem contadas naquele dia de chuva de verão, num final de tarde de dezembro deitada no sofá da sala. Talvez esse texto tenha sido um exagero também, mas isso você já entendeu.

Cura

Raramente a gente tem a sensação de estar em paz. Não a paz por não existirem conflitos ao redor, até porque eles existem e muito. Tanto os internos quanto os externos. Mas às vezes na vida a gente encontra a cura para certos conflitos. A minha cura vem de longe, mas ao mesmo tempo é como se estivesse bem perto. É uma cura suave, porém arrebatadora. Pode ser sentida na pele, pode ser vista no meu sorriso. É tão forte quanto o mar que habita dentro de mim.

Estrela

Ela é daquelas pessoas feita de amores. Não trocaria um dia frio e uma caneca de café por qualquer outra coisa. Não se distanciaria do seu ukulele e dos seus cadernos de desenhos tão facilmente. Ela ama o caos, principalmente o do seu quarto. Não se importaria de ver a cama bagunçada e as roupas espalhadas pelo chão durante uma semana inteira. Ela tem coisas mais importantes para se preocupar, como por exemplo, aprender os horários dos ônibus. Já teve vários estilos de cabelo em menos de um ano, não se importa com a mudança e sim com a falta dela. Ela respira a arte. Parece que ambas nasceram para estarem sempre juntas. Ela é feita de amigos, principalmente daqueles que se pode apoiar. Os desenhos dela representam toda a poesia que ela tem por dentro. Ela carrega dentro de si uma força tão grande quanto o universo. Ela é um universo de amores

Dita

Digito, paro, olho. Acho que não ficou bom. Apago tudo, começo outra vez. Digito, paro, olho. Consegui escrever mais de três palavras, acho que ficou ótimo. Olhando bem, acho que não. Digito, paro e paro. Pego uma folha branca, uma caneta preta e começo. Escrevo, paro e olho. Não, não tem como eu apagar ou começar de novo. Simples, amasso o papel e antes de joga-lo em um canto qualquer paro. Começo novamente, na folha amassada de onde parei. A gente nunca sabe quando que a inspiração vai chegar. Desta vez, ela se atrasou para o trabalho e eu voltei para a poesia.

Nós

Não. Não é preciso de muito para ser feliz. Talvez a gente só precise mesmo de cafuné e de uma caneca cheia de leite com café. Algumas músicas para ouvir em momentos de devaneios e uns filmes que já sabemos todo o roteiro. Talvez a gente só precise errar em alguma coisa e prometer para nós mesmos que vamos melhorar, mas no final continuar errando. Talvez a gente só precise rir de nós mesmos em boas companhias e ser quem somos, sem desculpas e ladainhas. Talvez nós somos apenas laços, que vão se desvaindo pelo caminho, mas que não temem em perder os nós.

Passado o Passado

Sei que o meu passado diz muito do que eu sou agora. Ele me construiu e continua me construindo de uma forma silenciosa e única. Conviver com o passado é uma tarefa difícil. A gente nunca olha para frente, não conhecemos o novo se deixarmos os fatos que já aconteceram se tornarem mais presentes do que os que estão acontecendo. Sair do confortável é uma tarefa difícil, porém necessária. É se desprender e buscar. É uma prova, para nós mesmos, que sabemos ser livres.

Companhia

Hoje as olheiras vieram me fazer companhia. Tirando o olhar pesado, elas até que foram agradáveis comigo. Passamos o dia juntas, como velhas amigas de infância. Me lembraram que eu preciso dormir mais, ou talvez menos. Me lembraram que faz bem respirar ar fresco e que eu deveria fazer isso com mais frequência. Em um dia normal eu até ligaria para a presença constante delas. Mas não hoje! Vesti uma roupa que combinasse com minhas olheiras e fiz uma xícara de um chá qualquer. No final, deixei que o tempo falasse por mim.

Te Ofereço

Não obrigo ninguém a ficar no meu mundo, porque não se deve prender pássaros. As pessoas são livres para ir ou ficar. Mas se você escolher ficar, eu te ofereço tardes com café, palavras sinceras, um pouco de insônia e olheiras. Ofereço meus acordes, meus versos e minha atenção. Ofereço também péssimo humor matinal e muita preguiça aos Domingos. Minha coleção de CDs e meus livros. Ah, eu também ofereço meus melhores abraços e beijos, que vão te lembrar sempre que existe alguém que está do seu lado. Você pode até escolher ir, mas terá ótimos motivos pra voltar.

3° do Singular

Ela sente muito se não demonsta tudo o que sente. É que ela sente tanto que tem medo de externizar com palavras. Às vezes é melhor esconder os sentimentos do que lidar com eles, pois são os sentimentos dela. Quem mais os entenderia do que ela? Gosta das coisas que tocam, das pessoas que tocam e gosta de tocar as pessoas também, mas da sua forma, errante. Ela gosta de demonstrar, nunca foi boa com as palavras. Valoriza as pessoas que são sensíveis por dentro e fortes por fora. Não se considera uma pessoa um tanto diferente, deslocada das outras. Se olha no espelho e se acha até muito normal. Não sabe que o espelho reflete muito pouco do que realmente somos, porque ele esconde as nossas singularidades. Ele esconde o que vem de dentro, que é o que realmente nos define pro resto do mundo. Ela tem alma de pássaro, mas ainda não descobriu isso. Uma pena quando almas livres se prendem nelas mesmas com medo de voar.

Meios

Aos poucos os olhos vão se abrindo,

O corpo estalando,

A boca bocejando,

O café esfriando,

As pessoas saindo e chegando.

Aos poucos as filas vão se formando,

Os carros aumentando junto com as buzinas,

A paciência acabando

E o Sol,

No meio do céu chegando.

Aos poucos as horas, passando, e a gente também.

As pessoas vão, vãs, e chegam.

Aos poucos ligam e desligam a TV no noticiário.

Poucas meias conversas,

Meios sorrisos,

 Meios abraços.

O cansaço vem dos olhos,

A vida também.